Inicial Open ESPM Rafinha Bastos reflete sobre o humor no jornalismo

24 -October -2017 - 05:48
Rafinha Bastos reflete sobre o humor no jornalismo PDF Imprimir E-mail
Escrito por Matheus Velazquez (4º Semestre)   
Seg, 01 de Outubro de 2012 15:40

O comediante Rafinha Bastos realizou uma palestra sobre “O humor no jornalismo”, no dia 28 de setembro, último dia do Open ESPM, das 19h às 21h no auditório I, do prédio B. O evento marcado por risadas e descontração, abordou temas da carreira do palestrante dentro do jornalismo e as diferentes formas de utilizar o humor.


O humorista que começou sua carreira na RBS e começou a fazer comedia na internet, através do seu blog, o Blog do Rafinha, contou que até chegar ao lugar que ocupa hoje como diretor executivo do programa Saturday Night Live, da Rede TV, enfrentou muitas críticas e diversas polêmicas como o caso com a cantora Wanessa Camargo. “No início, já na RBS, eu ouvi muito que o gaúcho, não gostava de humor, apenas de documentários. Isso é uma bobagem, gaúcho também gosta de humor. A prova disso, é que no Planeta Atlântida, eu utilizei da comédia para interagir com o público e foi muito bem aceito por todos, menos pelo diretor, que acreditou que eu estava aparecendo mais que o evento”, contou Bastos.

Já na Band durante o programa CQC, Rafinha Bastos, se deparou com inúmeras polêmicas, devido ao modo que a emissora tratava a comédia. “A comédia tem muito que evoluir no Brasil. No CQC produzimos muitas coisas que podiam ser questionadas, como, entrevistar um político que estava estressado após uma audiência, questionando se ele sabia qual era a capital da Argentina, e após ele falar “ahh... ah... é Buenos Aires”, a gente cortava o Buenos Aires e deixava apenas o “ahh... ah...” e adicionava uns efeitos do Windows, fazendo o político passar por um papel de idiota, e sim, algum deles merecem. No entanto, outros que estão ali não merecem. Quanto a Wanessa, o CQC, virou bundão e mandou eu adaptar o programa, o que iria contra meus princípios, então optei por sair e dormir tranquilo à noite”, falou Bastos.

Para Rafinha o humor ajuda na comunicação com público/Foto: Thamara Riter

Segundo Rafinha é possível utilizar do humor para se comunicar com o público, e usá-lo como uma ferramenta para se questionar os problemas do cotidiano. “Qualquer maneira de contar uma historia é uma maneira válida. O humor me deu a possibilidade de quebrar a formalidade, invadindo secretarias, empresas, fazendo amigos e cobrando melhorias”, salientou Bastos.

 O comediante lembrou ainda da importância de cada um seguir seus princípios. “Não posso ter medo de postar ou de falar algo, se eu tiver medo de fazer piada, eu não faço nada”, Rafinha Bastos ressaltou os problemas que a comédia sofre no Brasil. “Quando alguém censurado por falar algo, eles estão acabando com a lei de direito de expressão. E vejam só, hoje, eu estou proibido de falar APAE por lei, além, de responder processos dos fãs da Wanessa e da APAE... Que são o mesmo tipo de pessoa”, brincou Rafinha Bastos.

Sempre alegre e descontraído, Bastos lembrou a importância do humor no dia a dia. “O humor vai muito além da piada, é uma maneira de se comunicar. O humor nos torna humanos”, afirmou Rafinha Bastos.

Confira a reportagem do Portal de Jornalismo

 


Última atualização em Qui, 17 de Julho de 2014 17:27