Inicial Tarde em Pauta De Buenos Aires ao Parque da Harmonia

22 -September -2018 - 00:12
De Buenos Aires ao Parque da Harmonia PDF Imprimir E-mail
Escrito por Guilherme Thofehrn (2º semestre)   
Sex, 14 de Setembro de 2012 16:22

Quem visita o Piquete da Leitura, no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, e passa pelo estande da Livraria Calle Corriente, não imagina a história de vida do seu dono, Miguel Gómez. Ele fez um longo e complicado caminho desde Buenos Aires, a capital argentina, até chegar no Harmonia.  


Aos 24 anos, em 1977, Gómez decide vir morar no Brasil depois do Golpe de Estado na Argentina, ocorrido no ano de 1976. “Em 1977 nós tivemos a ditadura genocida que matou, sequestrou e torturou milhares de pessoas”, contou. A partir daí, começa a trabalhar como cinegrafista de TV no Rio Grande do Sul.

Miguel Gómez é formado em Cinema e chegou a morar por sete anos no Rio de Janeiro, de 1986 à 1993. Depois disso, volta ao Rio Grande do Sul e decide mudar de carreira. “Eu não me aposentei, apenas mudei de profissão”, ressaltou. Abriu a Livraria e Sebo Calle Corriente, na rua Uruguai, esquina com a rua Mauá. “Abri o comércio de livros depois de muito tempo”, disse. Lá, vende somente títulos em espanhol.  “O gaúcho não tem grande dificuldade com a língua espanhola, tem uma familiaridade, uma convivência”, destacou. 


Estande da Livraria Calle Corrientes no Piquete da Leitura do Parque Harmonia/Foto: Guilherme Thofehrn

O dono do estabelecimento é convidado há cinco anos pela organização do Parque da Harmonia para trazer títulos de obras que retratam a temática gauchesca no Piquete da Leitura. “Eu vou a Argentina para comprar livros”, relatou.  Ele também conta que uma das obras mais procuradas é o livro portenho que relata a história de Martín Fierro, com poesias gauchescas, escrito por José Hernandez.  A obra é dividida em duas partes, “El gaucho Martín Fierro”, escrita em 1872 e “La vuelta de Martín Fierro”, escrita em 1879.


Última atualização em Ter, 19 de Agosto de 2014 16:46