Inicial Fórum da Liberdade A livre economia na era digital

21 -January -2018 - 18:43
A livre economia na era digital PDF Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Guilherme Alves (1º semestre)   
Qua, 20 de Abril de 2011 00:00

A liberdade econômica foi o tema abordado pelos economistas Tyler Cowen e Lawrence Reed no Fórum da Liberdade. Os palestrantes falaram sobre regulação econômica e como a internet tem influenciado na economia global.

Reed, Presidente da Foundation for Economic Education, entidade voltada à educação econômica de jovens, deu ênfase ao comércio livre. “O protecionismo reduz escolhas”, comentou. Segundo ele, a liberdade econômica ainda é um problema no Brasil. Fatores como o custo alto dos impostos e dos empregados contribuiriam para isso.

“Um governo é cultivado não pela quantidade de proibições, mas pelas liberdades”, disse citando o pensador iluminista Montesquieu. O economista falou que quando os governos buscam controlar o comércio acabam trazendo prejuízos.

Argumentou que mesmo os Estados Unidos perderam dinheiro com essa lógica de intervenção do Estado na economia. Não é apenas o modo como o governo regula ou investe, mas também a forma como controla o acesso ao crédito.


Tyler Cowen, professor da George Mason University, aludiu ao fato de o Brasil ser bem representado em redes sociais. O país tem, hoje, um número elevado de usuários no Twitter e uma quantidade crescente de pessoas no Facebook.

Internet é um território livre, afirmou. Para ele, com “mais comércio, vem mais internet e mais liberdade”, disse. A blogosfera teria incrementado o debate e dado voz às pessoas no mundo todo. As empresas estão começando a ver a importância dessa forma de relacionamento.

Destacou, ainda, que a cultura tornou-se descentralizada. “Ela pode ser consumida em qualquer hora e lugar”, acrescentou. Embora o mundo esteja se tornando mais individualista, também está cada vez mais interligado e conectado.

O economista explicou que a internet é um espaço liberal em que se torna difícil a tributação. Apesar de o comércio eletrônico estar em crescimento, ainda há muita dificuldade em regular seu funcionamento de um modo eficiente.

No debate, Reed referiu que o protecionismo ainda é forte porque existem empresas que são beneficiadas por sua existência. “Elas teriam que se adaptar”, comentou. Ele entende que uma regulação excessiva da economia pode afastar os investidores e desacelerar o crescimento de um país. Ele afirmou que fica impressionado com o Brasil, pois “mesmo com essas dificuldades, muitos investidores decidem arriscar no país”.

Cowen mencionou que a internet criou muitos empregos para nichos específicos. “A internet é boa para a liberdade de pensamento, mas nem tanto para a geração de empregos”, adicionou. Sobre o controle da internet, comentou sobre a situação da China, em que há um esforço grande para o controle do que circula na rede. Para ele, “a internet é o maior avanço em termos de democracia”. Disse ser um cyber otimista e que “a rede é uma boa influência, ela mudou o mundo”.

Última atualização em Qua, 03 de Setembro de 2014 12:07