Inicial Feira do Livro Pra não dizer que não falei de flores

22 -April -2018 - 09:11
Pra não dizer que não falei de flores PDF Imprimir E-mail
Escrito por Caroline Pinheiro (2º semestre)   
Qua, 16 de Novembro de 2011 12:47

Em meio a bancas de madeiras repletas de livros uma em especial chama atenção. Flores coloridas embelezam o “telhado” do estande da Editora e Livraria Via Sapiens. A proposta é mostrar aos visitantes da 57ª Feira do Livro de Porto Alegre a especialidade da loja: ecologia e sustentabilidade. “Trabalhamos há dez anos nessa mesma linha”, explica Leia Schneider, uma das proprietárias do estabelecimento.



A sustentabilidade é um tema que desperta interesse. Hoje em dia, empresas e escolas estão comprometidas em ajudar o Planeta. Até mesmo dentro das suas casas as pessoas procuram adotar medidas que não prejudiquem o futuro ambiental da sociedade. A Editora e Livraria Sapiens, por exemplo, adota uma medida relativamente fácil para preservar a natureza. “Na loja, nós só trabalhamos com embalagens de papel”, explica Leia.

Para manter o visual da banca sempre bonito, Leia investe nas flores. “De noite a gente sobe num banco e rega todas as plantas”. Mas a proprietária ressalta: “Esse telhado é demonstrativo, pois como temos a lona para proteger, nós conseguimos cuidar das plantas dessa forma. Caso contrário, precisaríamos utilizar outras técnicas de manutenção”.
Telhado florido chamou a atenção do público
Dentre os vários livros, a proprietária possui um carinho especial pela tradução de uma publicação sobre Permacultura, o primeiro lançamento da Via Sapiens. A editora é um novo empreendimento para popularizar conceitos ecológicos ainda desconhecidos.

“Permacultura é a ideia de cultura permanente. Organizar uma pequena área de forma que ela seja sustentável”. A intenção do livro – que possui destaque em centros de estudos como, aqui no RS, em Bagé com o Instituto do Pampa e em outros estados como Bahia e Goiás – é que cada pedaço de terra seja planejado de forma que a natureza trabalhe e se sustente sozinha com o mínimo de intervenção humana.

A proprietária, inclusive, deixa uma dica que combina muito com o espírito da feira: “Deixa a natureza trabalhar pra ti. A árvore tem que servir para tu ires embaixo dela para ler um livro”, afirma.

Última atualização em Seg, 22 de Setembro de 2014 19:18