Inicial Sala de Aula

25 -September -2018 - 12:57
Nossas línguas PDF Imprimir E-mail
Escrito por Felipe Sucasas   
Qui, 29 de Setembro de 2011 19:07

Com intuito de entender as inúmeras variedades da linguagem, foi proposta a turma de jornalismo do segundo semestre, uma série de atividades. Atividades teóricas e alguns exercícios práticos sobre a gramática e linguagem de nossa língua mãe.

Primeiramente nos foi sugerido ler alguns textos, polígrafos sobre linguagem e suas variáveis. Após isso, nossa professora, Eveli Seganfredo, nos orientou a irmos à rua e coletarmos  depoimentos com pessoas que não conhecíamos, de faixas etárias diferentes e com oportunidades de estudos diferentes. Antes de criarmos as perguntas e sairmos a coletar respostas e depoimentos, procuramos entender as regras e os conceitos da Linguagem. Também nos foram ensinadas as normas da Gramática e da Linguística, tudo isso para termos o conhecimento básico sobre o assunto.

Para tal exercício, a turma de Jornalismo foi dividida em grupos com número igual de integrantes  e cada grupo tinha total autonomia para formular as perguntas e se organizar como achasse melhor. Algumas perguntas foram feitas,  nem todas as pessoas demonstraram conhecimento total sobre o assunto, mas todas foram bem receptivas  e, de certa forma, sabiam algo sobre o tema. Ainda assim, algumas pessoas ficaram com o “pé atrás” no momento de resposta, talvez com medo de ficarem expostas.

Como primeira pergunta, as pessoas tiveram que comentar sobre o primeiro contato delas com a escrita e sua relação com ela. “A escrita está presente na minha vida desde os primeiros anos de colégio, tendo meu primeiro contato com ela aos cinco anos de idade. Desde aquele momento, ela se tornou fundamental em minha vida , seja em assuntos escolares, seja em assuntos de minha vida particular” disse um jovem estudante de Direito, de 19 anos. Já uma garota de 11 anos, aluna da quinta série do ensino fundamental, respondeu assim: “A minha relação com ela (escrita) é a toda hora. Meu primeiro contato foi na primeira série, todo dia que passa tento melhorar essa relação”.
 
A segunda pergunta foi feita para que pudéssemos mensurar o entendimento das pessoas sobre a Gramática, Perguntamos  se as pessoas entendiam a Gramática, suas normas e qual seria a relação delas com o conjunto de regras. Uma estudante de Relações Públicas, de 19 anos, respondeu e demonstrou uma forte opinião: “Entendo a Gramática portuguesa, porém acho desnecessário o grande número de exceções. Seria mais simples se as regras se aplicassem a todas as palavras, pois assim as pessoas cometeriam menos erros gramaticais, que são muito comuns”. A mesma pergunta foi feita a um empresário, 46 anos. “Acredito que sim. Como trabalho na área de vendas, estou sempre em contato com outras pessoas, fazendo reuniões e escrevendo e-mails, tenho sempre que estar atualizado”.

Como última pergunta, indagamos as pessoas sobre a relação delas com a Linguística e seu entendimento sobre esse estudo. Algumas pessoas não entendiam ou não conheciam sobre o assunto. Nesse momento foi preciso uma breve explicação sobre o tema: “Linguística é o estudo da linguagem verbal humana. Ou seja, é o estudo que tenta descobrir como a língua funciona. Estudando todas elas, porém dando preferência às variações populares faladas em diversas comunidades”. “Ah, assim fica mais fácil (risos). Sobre o estudo em si, não. Porém tenho uma relação com pessoas diferentes de diferentes lugares, que possuem diferentes maneiras de falar, sejam gírias ou sotaques”. Assim respondeu um estudante de Engenharia de Produção, 21 anos.  Uma dona de casa, de 46 anos, pensa assim: “Sim, entendo. No meu dia a dia até emprego alguns ditos populares. E acho muito importante as comunidades preservarem suas características na linguagem, assim fica mais simples distingui-las”.

Todos entrevistados responderam três questões pontuais. Depois de feitas as perguntas se criou uma brecha maior para explicarmos às pessoas as diferenças entre as normas da Gramática e o estudo da Linguística. Tentamos mostrar de modo claro que o português não acaba nas regras da Gramática, mas que podemos aprofundá-lo nas diversas formas, não tão cultas, de nos comunicar.

Última atualização em Seg, 25 de Agosto de 2014 17:39