Inicial WMA A corrida pela vida de Sardinha

18 -October -2018 - 12:48
A corrida pela vida de Sardinha PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lucas Abati (4º Semestre)   
Seg, 21 de Outubro de 2013 14:37

Quem for ao XX Mundial de Atletismo Masters, que ocorre em Porto Alegre, pode encontrar uma amostra da fonte da juventude. Exceto pelas rugas e cabelos brancos, quem vê os atletas de 82 diferentes países não diz que eles são idosos. O vigor físico já se encontra enfraquecido, mas a motivação é a mesma dos atletas olímpicos de alto nível. No local de espera para a prova, uma vasta quantidade de histórias de superação dão mais brilho à Competição.


Manoel de Nazaré de Souza “Sardinha”, 56 anos, é diferente. Não era atleta, nunca foi. Longe disso. Entre uma pincelada e outra na construção civil de Belém do Pará, Sardinha ia ao bar com os amigos para beber. Fumava dois maços por dia e consumia álcool até quatro vezes por semana. Tinha casa, mas não era lá que dormia, tinha família, mas não era com ela que almoçava. O bar era seu lar, a rua a extensão do quintal.

Sem dar valor algum para qualidade de vida, sentia vontade de mudar, sabia que não chegaria longe assim. Estava se matando um pouco a cada gole, cada tragada. A motivação veio de repente, de dentro. “eu sabia que se continuasse daquele jeito, hoje não estaria aqui fazendo essa reportagem com vocês”, declarou. Tentou diversas vezes, começava a treinar, mas parava, não conseguia dar continuidade. Até que resolveu entrar de cabeça no atletismo.

O dia era 2 de janeiro de 2004, como de costume, estava no bar. Nesse momento não estava bebendo. Ele disse na mesa “a partir de agora eu vou parar com o cigarro e com a bebida, vou praticar atletismo”. A reação não poderia ser mais óbvia, seus amigos caíram na risada. “Dou uma semana pra você tá aqui de novo” diziam. “Tão até hoje me esperando lá, eles nunca conseguiram entender o que eu já fiz e o que já conquistei, são tantos títulos por aí”, exclama Sardinha.

De fato, títulos não lhe faltam. “Quando você olha um cara subir no pódio, você fica naquela adrenalina de quando vai ser minha vez de receber a medalha? Através do treino conquistei isso”, explica. Com 50 anos já tinha vários títulos, mas o que ele realmente gosta é de estar na ali na pista, conhecendo mais pessoas e lugares que pensou que nunca conheceria, como outros estados do Brasil, e países como Paraguai, Uruguai e Chile.

Manoel de Nazaré de Souza, o “Sardinha”, se dedicou ao atletismo em busca de uma vida mais saudável/Foto: Marthin Manzur
Exemplo disso são os grandes amigos que fez aqui em Porto Alegre, numa competição na SOGIPA em 2007. Um deles, Abel, certa vez disse “Sardinha, você tem potencial pra 800m e 1500metros, por que você não trabalha nisso?”. Foi aí que acrescentou as duas provas aos 5000 e 1000 metros. Em 2012, de volta a Porto Alegre, subiu no pódio nas quatro categorias.

Entretanto, nesse Mundial, o atleta só vai correr os 800m e 1500m, devido ao elevado nível da competição. “Eu quero correr pra fazer um bom resultado ou melhorar meu tempo. É meu primeiro mundial”, lembrando que não pôde participar do Mundial de 2011, nos Estados Unidos, pois não conseguiu liberação do visto.

As vitórias não param por aí. Ostentando quatro títulos Brasileiros, quatro títulos Mercosul, dois troféus Brasil, um Sulamericano, entre outros, Manoel de Nazaré de Souza “Sardinha” conquistou o maior título da sua vida, mas este não lhe assegurou um lugar ao pódio, nem uma medalha. O esporte lhe recompensou com a possibilidade de construir sua casa própria e uma faixa no peito que ninguém pode tirar: o orgulho que sua esposa e três filhos sentem por ele.

O Mundial de Atletismo Masters vai até o dia 27/10 e ocorre nos CT’s, SOGIPA, CETE, PUCRS, ESEF, Parque Marinha do Brasil e Usina do Gasômetro. Mais informações no site https://wma2013.com/.


Última atualização em Qua, 03 de Setembro de 2014 10:51